quarta-feira, 15 de novembro de 2017

O fascinante Brasil subterrâneo


Não se visitam cavernas impunemente. Ali tudo é diferente, belo e novo. Como uma das últimas “fronteiras” de nosso planeta, pode-se ainda experimentar o prazer incomum de penetrar em recantos onde nenhum outro ser humano adentrou sem pegadas à frente.
Nesses mundos de silêncio e trevas não há estações do ano, a vegetação superior inexiste por falta da luz solar e o próprio tempo parece fossilizar-se. Um lugar onde é tanto o silêncio, que nosso cérebro, com seus irrequietos neurônios, faz-se ouvir como se fosse uma fábrica, fabricando sonhos.

Ali, nossa imaginação é pequena perante os belos e intrincados cristais de pedra que imitam flores e crescem em todas as direções, perante animais albinos e cegos que vencem todas as hostilidades do meio: é a vida insistindo mesmo onde a luz desistiu de chegar. Tudo isso se expondo além dos grandes pórticos ou de simples e estreitos orifícios na montanha. Assim, pela sensibilidade, pela curiosidade cientifica e pela atração da beleza, somos contaminados inevitavelmente pelo chamado “vírus espeleológico”, uma espécie de febre benigna que apresenta entre seus sintomas a necessidade de se conhecer novas cavernas, estudá-las, sistematizar esses conhecimentos e divulgá-los contaminando assim mais e mais pessoas. 
Fonte: Clayton F. Lino,  Cavernas: o fascinante Brasil subterrâneo (Apresentação), 2ª edição. Ed. Gaia, 2001.

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Santana

PETAR - Caverna Morro Preto

Venha vivenciar esses ambientes naturais, com muitas histórias e conhecimento sobre a região, nas trilhas, cavernas e cachoeiras no PETAR.


(15) 3552-2629 ou (15) 99753-5356 



E-mail: danilopetar@ig.com.br